Perfil Bibba Chuqui

Em 1995 Bibba Chuqui ganha 02 ingressos para assistir o show de Harry Connick Jr. no antigo Palace em São Paulo. Convida um amigo e acomodam-se na mesa 117 em frente ao palco. Na metade do show, o artista começa a falar de música brasileira, bossa nova. Algumas pessoas gritam nome de músicas: “ Eu sei que vou te amar “,  “ Samba do avião “ e Bibba, de repente, começa a cantar “ Corcovado “. Harry olha para ela  e diz: “ É essa” .  Ele pergunta se ela é cantora, e ela responde que sim. Ele diz: suba aqui e venha cantar comigo. Bibba Chuqui é assim.

Dona de um carisma inato,  uma voz espetacular, uma simpatia que conquista qualquer um e uma coragem enorme de abrir-se sem medo de ser feliz. É cantora, atriz, professora de inglês, intérprete de línguas e arranjadora. É talentosa, paulistana da lapa, são paulina e uma pessoa de fé, muita fé. É forte, trabalhadora, determinada e sensual. É independente, mais não vive sem a Família, seu maior tesouro. É divertida, humilde, sonhadora, ótima amiga e excelente filha.

Essa é Bibba Chuqui, Bibba ou simplesmente Cristina.

Alguns dos principais trabalhos realizados por Bibba Chuqui

Musical:
New York, new York- o musical (2010) Direção: José Possi Neto
Emoções Baratas (2009) Direção: José Possi Neto
Bark- um latido musical (2008) Direção: José Possi Neto
Godspel-o circo da paixão (2002) Direção: Miguel Falabella
Ópio de baudelere (2001) Direção: Sérgio Ferarra
O terror dos mares- uma viagem de faz de conta (2000) Direção: César Pessuolli
Bacantes (1999) Direção: José Celso M. Correia
No reino das águas claras (1999) Direção: Milton Neves
Pocket Broadway (1998-2001) Direção: Rodrigo Pitta
João Pacifico e o não amoroso (1996) Direção: Samuel Kerr
Guiaú- a ópera das formigas (1994-1995) Direção: Jamil Dias
Pulomelo (1990) Direção: WilliVerdaguer e David Kullock

Cinema/Teatro:
Longa metragem Sonho de um sonhador (2008) Direção: Caco Milano
Longa metragem Domésticas (1999) Direção: Fernando Meirelles